Novo RG vai reunir ate 12 documentos e terá QR Code também

Nova versão do RG (Registro Geral) esta sendo testada em 8 estados e no Distrito Federal. Nessa nova versão, o RG vai agrupar 12 documentos oficiais alem de trazer o QR Code para maior segurança.

A inclusão do QR Code junto com outros elementos de segurança no RG, servem a principio, para garantir a autenticidade do documento. Em SP, por exemplo, a inserção do QR Code já é feita algum tempo.

Até o momento, os 8 estados que emite a nova versão do RG, são: Goiás, Mato Grosso, Acre, Maranhão, Ceará, Rio de Janeiro, Paraná e Rio Grande do Sul – e no Distrito Federal. O sistema deverá estar implantado em todo o país até março de 2020.

Nova modelo de RG (Imagem: Polícia Civil do DF)

Os documentos que poderão ser inclusos são: Titulo de Eleitor, Carteira de Trabalho (CTPS), NIS/PIS/PASEP, CNH, Nº do Documento de Identidade Profissional, Certificado Militar, Tipo Sanguíneo e o fator Rh, Nº do DNI (Documento Nacional de Identificação), Nº do Cartão Nacional de Saúde, alem do nome Social e alguma condição especifica de saúde que possa ajudar na hora de alguma emergência medica.

Todos esses documentos mencionados, para serem inclusos, precisam da apresentação dos originais para comprovação. Para inserir o tipo sanguíneo, vai precisar do exames médicos e a carteira de doação de sangue para tal finalidade.

A nova versão do RG tem como base o decreto 9.278 de 2018, da Presidência da República. Os custos (quando for o caso) e os procedimentos para emissão são definidos pelo órgão de identificação de cada estado.

Esse novo RG a principio é destinado para quem está tirando a primeira via do documento ou para quem está renovando o mesmo. A versão antiga e em bom estado, ainda é valida. Também segundo o decreto, poderá ser emitido uma versão em cartão, com as dimensões menores que do convencional (85,6 x 54 mm) e chip para aproximação (contactless), podendo ser cobrado, como acontece no Mato Grosso, que custa R$99,53.

Vale ressaltar também, que o DNI (Documento Nacional de Identificação), anunciado em 2018, vai começar o processo de busca de cidades aptas para começar a emissão do documento, através dos técnicos do TSE. Cidades com maior número de pessoas cadastradas no sistema biométrico de votação das urnas eletrônicas devem participar do projeto inicial.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*