Ubuntu quer usuários órfãos do Windows 7

Migrar Windows 7 Ubuntu 20.04

Para quem estava por fora ou não se atentou, no ultimo dia 14 de janeiro de 2020, o suporte ao Windows 7 foi encerrado. Se você quiser continuar a receber os updates de segurança, vai ter que pagar e bem caro por isso. Voces podem conferir com maiores detalhes, um post da Microsoft sobre clicando aqui.

Conforme o comunicado, a Microsoft recomenda que você praticamente compre outro PC para poder usar o Windows 10, pois ela recomenda que o sistema seja usado em PC’s de no máximo 3 anos “de idade”. Mas sabemos que na realidade do Brasil, é bem complicado. Vendo essa “Brecha”, a Canonical, dona do sistema operacional Ubuntu, vai trazer uma serie de tutorial de como fazer essa migração, com o primeiro dando uma base do que é o sistema e ensinando a como salvar os seus dados e tudo mais. Então resolvi traduzi-lo e ajudar na migração também. Abaixo voce pode ver a “chamada” do Ubuntu no Twitter:

https://twitter.com/ubuntu/status/1222200898417545222

Bom vamos para o artigo deles 😊

Como atualizar do Windows 7 para o Ubuntu – Considerações sobre hardware e software

O que nós vamos fazer?

Esta série abordará os seguintes tópicos:

  • Preparando para a migração – Na primeira parte aqui, vamos abordar as opções disponíveis para os usuários do Windows 7, verificando uma lista necessária das etapas anteriores à migração real e o backup dos dados antes da alteração.
  • Instalação do Ubuntu – Em essência, o Ubuntu é um sistema operacional, assim como o Windows. Este guia abordará os diferentes cenários pelos quais os usuários do Windows 7 poderão instalar o Ubuntu em suas máquinas. A instalação do sistema operacional não é um processo trivial, especialmente para usuários sem conhecimento prévio e domínio do mesmo , mas queremos tornar essa parte da jornada o mais integrada possível.
  • Configuração de pós-instalação – Após a instalação do Ubuntu, o usuário precisará se familiarizar com o novo sistema operacional, com o layout da área de trabalho, os aplicativos e outras configurações que fazem parte do uso diário da área de trabalho. Para muitas pessoas, a questão de saber se serão capazes de continuar usando seus aplicativos é crítica e prestaremos um cuidado especial a esse aspecto da experiência geral.
FraseNo WindowsNo Ubuntu
Sistema operacionalWindowsUbuntu (Linux)*
DistribuiçãoN / A – a analogia mais próxima é a versão (veja abaixo).A flavour ou “sabor” do sistema operacional. Exemplos incluem Ubuntu, Debian, Fedora, etc.
Versão 7,8,8.1,10 e etc Numérico – 16.04, 18.10, normalmente indica YY.MM (Ano e Mês) do lançamento. Também existem versões pontuais (por exemplo, 18.04.3), que significam atualizações a partir de quando uma versão específica foi lançada.
Nomes – As versões do Ubuntu também têm nomes que correspondem ao número da versão. Por exemplo, o Ubuntu 18.04 é chamado Bionic Beaver; portanto, se alguém disser Bionic, Beaver, Ubuntu 18.04 ou apenas 18.04, eles significam a mesma coisa.
Ambiente de trabalhoN/A – a analogia mais próxima desse termo é Aero, Metro, Modern, que define o tipo de estilo visual da área de trabalho no Windows.A camada de apresentação que inclui a área de trabalho, barras de ferramentas, decorações para janelas e outros elementos de estilo.
O ambiente da área de trabalho também inclui modelo de uso (comportamento – como clique único, clique duplo, posição dos controles da janela etc.).
Os ambientes de desktop geralmente estão intimamente associados à distribuição, por exemplo, o Ubuntu usa o ambiente de desktop GNOME, enquanto o Kubuntu usa o ambiente de desktop Plasma. Algumas distribuições oferecem mais de uma edição, por exemplo, elas vêm com diferentes ambientes de desktop.

Quais opções os usuários do Windows 7 têm?

Estar rodando um sistema operacional que não recebe mais atualizações e patches de segurança pode ser bastante problemático em alguns cenários. Usuários experientes em tecnologia terão o conhecimento e os meios para manter sua configuração funcionando de maneira segura, mas a maioria das pessoas não terá necessariamente as habilidades necessárias para continuar usando um sistema operacional de fim de vida (EOL). A solução mais razoável é migrar para um sistema operacional suportado.

  • Comprar um computador novo , que já venha pré-instalado com um sistema operacional (Windows 10, macOS, etc.) – Essa é provavelmente a opção menos invasiva, especialmente se você estiver planejando em mudar o hardware de qualquer maneira. No entanto, requer um investimento financeiro e requer adaptação ao novo dispositivo e sistema operacional.
  • Atualizar para o Windows 10 – Este é o caminho mais provável para a maioria dos usuários. Eles podem fazer isso executando o Windows 10 Media Creation Tool, que atualizará seu computador do Windows 7 para o Windows 10. No entanto, os usuários que ainda executam o Windows 7 provavelmente têm razões sólidas para não terem feito a atualização para o Windows 10 até o momento.
  • Atualizar para uma alternativa que não seja o Windows – Isso de fato significa o Linux. A vantagem notável desta etapa é que a maioria das distribuições Linux é oferecida gratuitamente e não possui condições restritivas de licenciamento vinculadas ao seu uso. Isso torna o Linux uma opção viável, mas também requer o aprendizado de “novos termos” e padrões de uso, o que pode ser bastante desafiador. Nesta série de artigos, focaremos no Ubuntu.

Por que você deve considerar o uso do Ubuntu?

A maneira mais fácil de explicar por que o Ubuntu, é pensar nos celulares. Por que usar iPhone? Por que usar Android? Ambos oferecem certas vantagens e também determinam suas próprias maneiras de fazer as coisas. Não há certo ou errado aqui – apenas o melhor que se adapta às necessidades do usuário.

Aqui estão algumas razões pelas quais o Ubuntu pode ser um bom candidato para a migração do Windows 7:

  • O Ubuntu é um sistema operacional de código aberto, gratuito, desenvolvido e suportado pela Canonical. No entanto, partes do Ubuntu são baseadas em outros projetos (geralmente chamados de upstream), portanto há um forte componente de colaboração mais ampla com a comunidade open-source (código aberto).
  • É um sistema operacional robusto e seguro. Possui um modelo de lançamento semestral; a cada seis meses, uma nova versão é lançada (abril e outubro, daí os números de versão 18.04, 19.10). A cada dois anos, em abril, é lançada uma nova versão do LTS (Long Term Release Support) (Versão de Longo Suporte), vindo com cinco anos de atualizações e correções de segurança para usuários domésticos. Por exemplo, o LTS atual é o Ubuntu 18.04 Bionic Beaver, lançado em abril de 2018, e será suportado até abril de 2023 (o suporte estendido está disponível para clientes comerciais). O próximo LTS será lançado em abril de 2020.
  • O Ubuntu é usado por milhões de usuários e vem com um rico ecossistema de software – aplicativos populares para muitos aspectos do uso típico da área de trabalho. Por exemplo, Firefox, Chrome, Skype, Steam, Spotify, VLC estão disponíveis no Ubuntu.
O sistema e os aplicativos depois de instalados, virão em português

A imagem acima mostra uma sessão da área de trabalho no Ubuntu, com Firefox e Skype; o ambiente é o GNOME e está usando um visual ligeiramente diferente do que os usuários do Windows 7 estão acostumados. A barra de tarefas é dividida nos lados superior e esquerdo da tela. A parte superior contém a área do sistema (bandeja), calendário e notificações. A parte esquerda contém um iniciador de aplicativos (dock), onde você pode fixar seus aplicativos favoritos.

Agora, da mesma forma, também é importante mencionar as razões pelas quais não é possível um usuário iniciante migrar para o Ubuntu (ou qualquer outra flavour “sabor” do Linux):

  • Não têm o conhecimento técnico necessário para instalar e configurar o sistema operacional sozinho – se tiver um amigo/conhecido ou alguém que tenha conhecimento para tal tarefa para ajudar, ótimo, mas, caso contrário, esse usuário não estará interessados ​​em “ter trabalho extra”. Nesse caso, comprar um novo computador que já venha pré-instalado com o Ubuntu pode ser uma boa ideia.
  • Não tem o tempo necessário ou informação para aprender uma nova forma de usar o computador, sendo assim, desejam continuar usando uma área de trabalho familiar como o Windows. Para esses usuários, a migração pode ser uma experiência frustrante.
  • Exigem software específico que não está disponível para o Ubuntu. Assim como existem diferenças nos aplicativos disponíveis para iOS e Android, também existem para Windows e Ubuntu. Não há igualdade na escolha do software entre os dois sistemas operacionais. Com o Windows sendo o desktop mais popular (aproximadamente 85% do uso total), os futuros usuários potenciais do Ubuntu procurarão naturalmente software compatível com o Ubuntu que atenda às suas necessidades em relação ao Windows.

Considerações sobre software

A tabela abaixo fornece uma visão geral das opções típicas de software e sua disponibilidade no Ubuntu. Y significa que o aplicativo está disponível nativamente, como no Windows. N significa que não há equivalente adequado. P significa que existe um aplicativo alternativo disponível que oferece um conjunto parcial de funcionalidades e/ou requer uso diferente para obter os mesmos resultados.

AplicativoWindowsUbuntuAlternativa e notas
Firefox YYVocê não precisa de nenhuma alteração no sistema.
ChromeYYVocê não precisa de nenhuma alteração no sistema.
OperaYYVocê não precisa de nenhuma alteração no sistema.
Microsoft Office
YP Você pode usar a versão online do Microsoft Office através de um navegador como Firefox ou Chrome. Isso requer a configuração de uma conta. Você também pode usar um pacote de escritório alternativo gratuito, como o LibreOffice, OnlyOffice Desktop Editors. WPS Office ou o FreeOffice.
OutlookYPVocê pode usar um cliente de email alternativo como o Evolution ou o Thunderbird.
Windows Media Player
YPVocê pode usar um media player alternativo como o VLC.
VLCYYVocê não precisa de nenhuma alteração no sistema.
SpotifyYYVocê não precisa de nenhuma alteração no sistema.
SteamYYAlguns títulos de jogos são apenas para Windows e não estarão disponíveis nativamente, podendo ser rodados via SteamPlay.
DiscordYYVocê não precisa de nenhuma alteração no sistema.
SkypeYYVocê não precisa de nenhuma alteração no sistema.
SlackYYVocê não precisa de nenhuma alteração no sistema.
Telegram Desktop
YYVocê não precisa de nenhuma alteração no sistema.
Acrobat Reader
YPVocê pode usar um leitor de PDF alternativo como Evince ou Okular.
PhotoshopYPvocê pode usar o GIMP.
PremierYPVocê pode usar o DaVinci Resolve.
Lightroom
YPVocê pode usar o Darktable.
JavaYYO Ubuntu usa o OpenJDK.
Codecs de mídiaPYO Ubuntu oferece um conjunto maior de codecs de mídia por padrão.

Considerações sobre hardware

De uma maneira geral, o Ubuntu tem uma ampla gama de suporte para hardware, e muitas vezes você não precisará fazer modificações manuais, como instalação de drivers, para inicializar e usar totalmente seu hardware. Pode haver exceções e, em alguns casos, seu conjunto específico de hardware pode não ser totalmente suportado. Por exemplo, algumas impressoras podem não ter drivers para o Ubuntu. Infelizmente, não existe uma lista definida que possa cobrir todos os cenários disponíveis.

No entanto, uma das grandes vantagens do Ubuntu é que ele pode ser executado a partir do modo live , como DVD ou pendrive USB, sem precisar instalá-lo no disco rígido. Isso significa que você pode testar completamente o Ubuntu no seu computador para ver se você gosta da aparência, testar os aplicativos e verificar o suporte de hardware – tudo sem fazer modificações no seu computador! Se você encontrar algo que não gosta, você pode simplesmente tentar uma distribuição Linux diferente.

Abordaremos isso no segundo artigo desta série.

Se você deseja comprar um novo computador que vem pré-instalado com o Ubuntu, existem várias ofertas comerciais disponíveis no mercado. Por exemplo, a Dell envia o XPS 13 Developer Edition pré-instalado com o Ubuntu, incluindo drivers otimizados especificamente projetados para o laptop e seu hardware.

Se você acha que as informações fornecidas acima soa de forma pratica, o próximo passo é começar a jornada de migração. Antes de fazer qualquer coisa com o Ubuntu, faremos o backup dos dados no Windows 7. Essa é a etapa mais crítica de todo esse processo. Se algo der errado, seus arquivos pessoais estarão intactos.

Fazendo backup de seus dados

Em termos gerais, existem dois tipos de dados:

  • Arquivos pessoais como fotos, vídeos, documentos e outros.
  • Configurações de aplicativo, que incluem itens como favoritos do navegador, configuração do layout da interface de aplicativo, temas, papéis de parede e outros componentes.

No Windows 7, os dados pessoais podem residir em qualquer lugar do disco. Por exemplo, você pode manter seus arquivos nos locais padrão (como Documentos, Imagens etc.) ou ter uma pasta personalizada, algo como C:\Arquivos, ou até mesmo armazená-los em uma unidade separada, como D:\Data .

As configurações do aplicativo são armazenadas dentro da pasta AppData dentro da sua pasta de usuário. Por exemplo, se seu nome de usuário for Igor, as configurações do aplicativo residirão em C:\Users\ Igor\AppData. Por padrão, AppData é uma pasta oculta e não estará visível no Windows Explorer. Você precisará alterar as opções de exibição para ver arquivos e pastas ocultos.

Dentro da pasta AppData, haverá várias subpastas contendo as configurações do aplicativo. Por exemplo, seu perfil do Firefox ou Chrome ou as configurações do Skype e as conversas salvas serão armazenadas aqui. Alguns desses dados podem não ser necessariamente necessários ou relevantes para a migração do Windows 7 para o Ubuntu, mas é muito útil criar um backup, se você precisar.

A tabela abaixo lista os locais padrão para alguns aplicativos populares:

Nome do softwareLocalização
ChromeC:\Users\”user”\AppData\Low\Google
FirefoxC:\Users\”user”\AppData\Roaming\Mozilla\Firefox\X.default*
OutlookC:\Users\”user”\AppData\Local\MicrosoftOutlook
SkypeC:\Users\”user”\AppData\Roaming\Skype

*X será uma combinação aleatória de strings e letras, por exemplo: b4c3M6y7.

Mais tarde, depois de instalar o Ubuntu, demonstraremos como usar os dados salvos do aplicativo para restaurar o perfil do Firefox. Isso significa que você terá todos os seus favoritos, histórico de navegação e até cookies e logins salvos.

Opções de backup

Você tem várias opções disponíveis para fazer backup dos seus dados:

  • Backup local – Crie uma cópia dos seus dados em outro disco rígido (HD). De preferência, uma unidade externa que você poderá remover, para não excluir nada acidentalmente durante a instalação do novo sistema operacional. Você também pode gravar em um DVD.
  • Backup em rede – armazene uma cópia dos seus dados em outro computador na sua rede. Se você tiver mais de um dispositivo disponível, poderá copiar / sincronizar dados entre eles. Novamente, se algo der errado, seus dados estão intactos.
  • Backup em nuvem – Esta opção pode não estar necessariamente disponível para todos os usuários. Mas pode ser um método de backup adequado em alguns casos. Por exemplo, você pode estar usando um serviço de backup em nuvem como o OneDrive ou o Dropbox para sincronizar periodicamente seus dados em sua conta na nuvem. Você também pode salvar arquivos no seu Google Drive. Os usuários conectados no Chrome podem sincronizar os dados do navegador com a Conta do Google. Da mesma forma, se você configurar o Firefox Sync, poderá manter um backup online dos seus dados do Firefox. Outros aplicativos podem oferecer configurações semelhantes.
  • Substitua o disco rígido – Além de reter os dados existentes do Windows 7 no disco rígido antigo, isso oferece a oportunidade de atualizar para um dispositivo de maior armazenamento ou mais rápido (como SSD) e, em seguida, usar o disco com dados do Windows com um Conexão USB, por exemplo.

Criar backup local ou de rede

Você pode copiar manualmente os dados ou usar um aplicativo dedicado para ajudá-lo com a movimentação dos dados:

  • Copie arquivos usando o Windows Explorer.
  • Copie arquivos usando uma ferramenta de replicação como o Karen’s Replicator.
  • Crie um arquivo (zip ou 7z) dos seus arquivos. Isso permite que você coloque um grande número de arquivos e pastas em um único arquivo, o que o torna conveniente se você precisar copiar ou mover dados. Você também se beneficiará da compactação, diminuindo o tamanho do seu conjunto total de dados. Além disso, você também pode criar arquivos criptografados para proteger seus dados de acidentes (especialmente se você pretende armazenar seus arquivos online). Você pode usar um software como o 7-Zip para criar arquivos com uma senha.

Tutorial “original” em inglês aqui.

Mudar de sistema operacional nem sempre é uma tarefa das mais agradáveis de se fazer, pois você precisa meio que “reaprender a andar de bicicleta”. Mas em alguns casos, isso se torna extremamente necessário para poder continuar usando o computador. Esse tutorial da Canonical mostra exatamente isso, que no começo pode ser “tortuoso” mas que depois vai ficando bem simples, como já demonstrei aqui no blog e no canal.

Quando sair a segunda parte, postarei aqui no blog 😎😉.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*